Skip to content

John Beijo é o anfitrião da vez.

2010/11/19

Estamos em 1970 numa Inglaterra cinzenta, liderada pela direita conservadora, cansada da ilusão hippie e da sociedade plástica dos 60’s.
Surge um grupo de jovens artistas carismáticos, com ambição e vontade de mudança.
Empunhando toneladas de maquilhagem, vestuário futurista inspirado no cinema Sci-Fi e usando como arma a ambiguidade sexual tentam quebrar com o instituído através do choque e do exibicionismo.
Mas nada nestes rapazes é pura rebeldia, pois sabem que precisam de chegar às massas e alcançar o estatuto de ídolos ocupando os primeiros lugares dos tops de vendas.
Para tal o conseguirem, pegaram no rock’n’roll e refizeram-no à sua maneira, tornaram o concerto num espectáculo artístico e de entretenimento e foram para a televisão falsear declaradamente as actuações.
Nunca quiseram criar novos ideais, nem estilos de vida, queriam somente liberdade para si e para a juventude.

E quem vai ser o nosso anfitrião é o John Beijo.

Foto gentilmente roubada do Facebook do John Beijo. 🙂

 

Sem Glam Rock não existiria John Beijo.
Isso diz muito sobre John Beijo e nada sobre Glam Rock… vai daí e até não.
Durante largos meses da sua vida, João Moreira não via outra coisa à frente sem ser Glam Rock. Como é seu hábito, devorou tudo o que eram documentários sobre o “movimento” e os seus protagonistas, cinema “glam” dos 70s, livros e, acima de tudo, encheu-se de música até aos ouvidos.
No meio desta submersão, encontrou o seu nome artístico.
Terá questionado a sua sexualidade? Talvez. Mas cedo se apercebeu que gosta é de gajas e que, quando assim é, não há muita volta a dar.

Podem esperar os grandes clássicos da altura, as músicas menos conhecidas e todas as suas ramificações até aos dias de hoje.

Uma música: “Wig-Wam Bam” dos The Sweet (1972)
Um CD: “Ziggy Stardust and the Spiders from Mars” (1972)
Um Filme: “The Rocky Horror Picture Show” (1975)
Um Livro: “Performing Glam Rock” de Philip Auslander (2006)

E daí que com o John Beijo vem a performance das Von Ladies and The Furs e pode ser que ocasionalmente João Teixeira, Filipe Teixeira, Jackie e Luísa Skane rebolem até ao palco, dancem um pouco, arrastem com eles meia dúzia de pessoas, metam umas performances pelo meio e no fim ainda inventem de brincar aos djs.

Anúncios
No comments yet

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: